InícioCoronavirusDoença Coronavírus - COVID-19 afeta a doença de Parkinson

Doença Coronavírus – COVID-19 afeta a doença de Parkinson

Doença Coronavírus – COVID-19 afeta a doença de Parkinson: Um olhar sobre como a doença coronavírus (COVID-19) afeta a doença de Parkinson

Doença Coronavírus – COVID-19 afeta a doença de Parkinson

A pandemia do coronavírus 2019 (COVID-19) causou imensa devastação, com bem mais de três milhões de mortes relatadas, centenas de milhões de infecções, e reduções drásticas no crescimento econômico mundial. Como resultado da grave infecção pelo coronavírus 2 (SARS-CoV-2) da síndrome respiratória aguda, não só foram observados sintomas agudos, mas também complicações a longo prazo.

Anteriormente, o vírus do herpes simplex (HSV), o vírus da influenza A, o vírus do sarampo, o citomegalovírus (CMV) e o vírus da papeira foram todos associados a efeitos secundários do vírus que inclui a doença de Parkinson (DP).

Esta lista pode agora incluir o SARS-CoV-2.

O vírus foi encontrado no líquido cefalorraquidiano, assim como no tecido pulmonar e das vias aéreas, amostras fecais e amostras de sangue. Além das mudanças patológicas reais encontradas no tecido, os efeitos do isolamento incomum e prolongado também são suscetíveis de causar sintomas depressivos e cognitivos.

Um recente artigo de pesquisa publicado no servidor medRxiv* discute o impacto da COVID-19 na doença de Parkinson (DP).

Receptores ACE2 e entrada viral no cérebro

O vírus SARS-CoV-2 envolve a enzima conversora da angiotensina receptora da célula hospedeira 2 (ACE2) através de seu domínio de ligação de receptores (RBD). Estes receptores são encontrados em toda a superfície celular do corpo, bem como nas células do sistema nervoso central (SNC) – tanto nos neurônios quanto nas células gliais de suporte. Isto suporta a entrada do vírus no cérebro.

Além dos receptores ACE2, os resíduos de ácido siálico são postulados como receptores para o vírus.

Uma razão para os pacientes com DP experimentarem o agravamento dos sintomas neurológicos poderia ser a queda no acompanhamento de rotina, já que algumas práticas foram encerradas e outros pacientes foram socialmente isolados.

Entretanto, quando o SRA-CoV-2 entra no neurônio, os linfócitos T no cérebro tornam-se hiperativos. A inflamação resultante poderia causar a dilatação dos vasos sanguíneos e promover a coagulação no cérebro, bem como reduzir o suprimento de oxigênio para o tecido cerebral. Isto poderia levar a acidentes vasculares cerebrais e convulsões.

Doença de Parkinson

Uma desordem neurológica progressiva e crônica, a doença de Parkinson (DP) afeta o movimento e a marcha. Além disso, são observados tremores de repouso e rigidez.

Sintomas não-motores como comprometimento cognitivo, psicoses e neuroses, depressão e apatia, também podem ser observados nesses pacientes, assim como características autonômicas como quedas na pressão arterial e distúrbios da função da bexiga.

Os sintomas neurológicos encontrados em pacientes com COVID-19 propriamente ditos incluem fadiga, confusão, dor de cabeça, derrame, tontura, convulsões, perda de apetite e distúrbios do sono. Além disso, a condição paralítica chamada síndrome de Guillain Barre, bem como alterações do olfato e da sensação gustativa, mioclonos, dores neuropáticas e dores musculares, foram todos relatados nestes pacientes.

Os receptores ACE2 estão presentes em abundância nos neurônios dopaminérgicos, que já se encontram debilitados na DP.

A entrada do SRA-CoV-2 nos neurônios dopaminérgicos pode muito bem piorar os sintomas motores na DP, mas a tempestade de citocinas associada à resposta imune hiperativa à infecção viral pode causar danos inflamatórios indiretos ao SNC também.

Descobertas do estudo

Doença Coronavírus - COVID-19 afeta a doença de Parkinson

O estudo atual constatou que pacientes DP com um teste positivo para COVID-19 apresentaram piores sintomas motores após a infecção viral. Estes incluíam lentidão de movimento, ou bradicinesia, alteração da marcha, tremores, delírio e demência, juntamente com espasmos severos em todos os membros. Alguns estudos também relataram a ocorrência de encefalopatia e taxas de mortalidade mais elevadas no grupo PD-COVID-19 em comparação com outros pacientes da COVID-19.

A idade média dos pacientes com DP foi de 77 anos, sendo a maioria do sexo masculino. Quase todos tinham outras condições médicas, incluindo hipertensão, diabetes, obesidade, níveis anormais de lipídios no sangue, doenças cardiovasculares, doenças pulmonares obstrutivas crônicas, doenças renais e hepáticas crônicas, e imunidade prejudicada.

Quais são as conclusões?

A presença de comorbidades na maioria dos pacientes com DP, bem como sua idade avançada, poderia distorcer a interpretação dos resultados deste estudo, já que todas estas condições pioram a gravidade da DP, bem como da COVID-19. Além disso, a presença da doença do SNC, especialmente quando grave, pode afetar o resultado da COVID-19 por si só.

Os pesquisadores não conseguiram identificar quão bem os pacientes aderiram a seus regimes de medicação. Entretanto, os efeitos neurológicos conhecidos da COVID-19 são corroborados por estas descobertas, nas quais pacientes com doença de Parkinson que adquirem esta infecção desenvolveram sintomas neurológicos progressivos.

A doença de Parkinson pode sofrer um agravamento substancial dos sintomas motores e não motores durante a COVID 19. São necessários estudos adicionais para entender o papel da ACE2 no aumento da vulnerabilidade aos vírus e o papel dos inibidores da ACE como modalidade de tratamento

“A doença de Parkinson pode sofrer um agravamento substancial dos sintomas motores e não motores durante a COVID 19. São necessários estudos adicionais para entender o papel da ACE2 no aumento da vulnerabilidade aos vírus e o papel dos inibidores da ACE como modalidade de tratamento”.

*Notificação Importante
A SOS Parkinson SP publica relatórios científicos preliminares que não são revisados por pares e, portanto, não devem ser considerados como conclusivos, orientando a prática clínica/ comportamento relacionado à saúde, ou tratados como informação estabelecida.

Journal reference:
  • Jaiswal, V. et al. (2021). Influence of novel coronavirus disease (covid-19) on parkinsons disease: systematic review. medRxiv preprint. doi: https://doi.org/10.1101/2021.05.09.21256929. https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.05.09.21256929v1
  • Tudo sobre Coronavírus- Covid-19
SOS Parkinsonhttps://sosparkinson.com.br/
SOS Parkinson - Quando uma pessoa vai envelhecendo, é completamente normal que ocorra com o tempo a morte gradativa das células nervosas que produzem dopamina. A diferença dessa pessoa para aquela que tem Mal de Parkinson (Doença de Parkinson) é que a esta perde tais células nervosas em ritmo acelerado. Infelizmente, ainda não foi descoberto o motivo da morte repentina nos casos de Parkinson.

Mais Lido

Quem leu, também se interessou por

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui