Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Doença de Parkinson e Depressão

A Doença de Parkinson é uma condição crônica e progressiva das células nervosas cerebrais, que apresenta sintomas como lentidão nos movimentos, rigidez muscular, tremores durante o repouso e ao movimentar-se, instabilidade, fadigas, demência, ansiedade, entre outros problemas diversos.

A causa mais aceita da doença de Parkinson é a morte das células cerebrais, principalmente na região chamada de substância negra, que é responsável pela produção de dopamina, que controla os movimentos, entre outras funções. Conforme as células cerebrais se degeneram, elas não conseguem produzir a quantidade adequada de dopamina (neurotransmissor indispensável ao funcionamento neurológico).

A condição não tem cura, apesar de as alternativas terapêuticas serem muito úteis no controle dos sintomas. Os efeitos colaterais ou sinais da doença vão muito além de afetar os movimentos. Há sintomas mentais muito comuns, que podem ser muito debilitantes e incapacitantes, além de diminuir a qualidade de vida do paciente.

Doença de Parkinson e Depressão – Saiba Mais

Cerca de 10 milhões de pessoas convivem com o Mal de Parkinson em todo o mundo, e até 60% dessas pessoas apresentam sinais de depressão. Na realidade, a presença de qualquer doença crônica representa um risco de desenvolver depressão, que aumenta de acordo com a gravidade da enfermidade e quão debilitante ela pode ser.

Certas doenças crônicas, como o mal de Parkinson e a esclerose múltipla, aparentam causar alterações que resultam na depressão. Estudos sugerem que essas condições alteram a química cerebral, causando a depressão.

Um estudo realizado no ano de 2008 provou que alguns pacientes de Parkinson parecem ter um número acima do normal de bombas de recaptação de serotonina, outra substância importante para o funcionamento cerebral.

A serotonina está profundamente relacionada aos distúrbios de humor e à atividade destas bombas. A diminuição do nível de serotonina no cérebro é uma possível causadora dos sintomas de depressão nas pessoas com o mal de Parkinson. Esta comorbidade pode fazer com que as duas doenças sejam mais difíceis de lidar, para o paciente.

Doença de Parkinson e Depressão – Tratamentos

A depressão em pacientes de Parkinson normalmente é tratada através da combinação de terapia e medicamentos, apesar de alguns remédios de depressão causarem uma piora nos sintomas de Parkinson.

Há casos em que o tratamento da depressão em parkinsonianos não atuou somente na melhora dos sintomas motores, mas também melhorou qualidade de vida e os sintomas motores da pessoa.

Pacientes de Parkinson não devem hesitar em falar com seus médicos ou neurologistas a respeito de quaisquer mudanças em seu humor ou sentimentos. A depressão tem diferentes sintomas, que incluem tristeza profunda, desânimo, desesperança, inquietude, desinteresse nas coisas que antes lhe davam prazer, alterações no sono, perda ou ganho de peso, etc.

No entanto, os sentimentos característicos da depressão são diferentes da sensação de tristeza e frustração comuns após ser diagnosticado com a doença de Parkinson.

Em caso de suspeita de Parkinson e Depressão, é essencial procurar um neurologista de confiança, que possa tratar essa comorbidade de forma adequada. O paciente pode viver bem e ter qualidade de vida, desde que receba o diagnóstico correto e inicie o tratamento o mais cedo possível.

  • Yum
Compartilhar